COMO SEGUIRES UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E AMIGA DO AMBIENTE

26.09.2017

  

Há cada vez mais uma preocupação, por parte de todos nós, em seguir uma alimentação saudável e consciente, mas até que ponto a alimentação que fazemos é realmente consciente?

O tema sustentabilidade está na moda. Compras conscientes, moda consciente, desperdicio zero, minimalismo. Todos estes temas estão cada vez mais presentes nas redes sociais, em blogues ou até mesmo entre conversas, e ainda bem que assim é.

Queremos ser consumidores conscientes, justos e criar uma sociedade justa com as nossas escolhas e, claro, ser saudáveis no meio de todo este processo.

Somos inundados com imagens de pratos deliciosamente fotografados assim que acedemos às redes sociais em busca de inspiração e quanto mais exóticos forem os ingredientes mais apelativos se tornam. 

Temos de experimentar tudo e incluir tudo na nossa alimentação diária pois não queremos ser a estranha que não come açaí com frutas tropicais, bagas e todos os topping exóticos que por vezes nem sabemos pronunciar porque se não o fazemos não sabemos o que é um pequeno-almoço saudável, pelo menos é o que o instagram nos diz sempre que acedemos às fotos deliciosas da Andrea do Earthy Andy e se a Andrea conseguiu criar uma vida mais saudável ao incluir mais frutas tropicais, água de coco, acaí e tudo o que é exótico e que há em abundância no Hawai, onde ela vive, então também a nossa passará a ser se comermos exactamente como ela, certo?

E nesta altura eu poderia responder-vos com um "nim", esta palavra que não é palavra e que está entre o não e o sim.

 

Do meu ponto de vista, e segundo a visão macrobiótica, há três questões importante que devemos ter em consideração quando falamos em escolhas alimentares e que são:

 

ORDEM SAZONAL, CLIMA E GEOGRAFIA

 

O nosso corpo é um reflexo do nosso meio ambiente. Não conseguimos sobreviver sem o ambiente que nos rodeia e a forma de melhor nos adaptarmos a ele é comermos alimentos que tenham a mesma integridade ambiental porque se desenvolvem no mesmo ecossistema e o suportam. 

No nosso intestino existem cerca de 100 milhões de bactérias que compõem a flora intestinal, responsável por quase todo o funcionamento do organismo, já que dela depende a boa absorção de nutrientes que são necessários para a sua manutenção.

O solo em que os alimentos crescem tem também uma quantidade incomensurável de bactérias que permitem que as plantas se desenvolvam.

A nível biológico os nossos intestinos são para nós aquilo que a raíz de uma planta é para a planta. A planta é nutrida pelo solo, nós, pelos alimentos. 

Existe uma analogia entre a nossa flora intestinal e os microorganismos presentes na terra. Criamos melhor harmonia com o meio circundante quando nos alimentamos de produtos que crescem nesse meio ou num semelhante.

Quando comemos alimentos fora da sua época ou de um clima muito diferente do nosso, é possível que comecemos a ter dificuldade em adaptarmo-nos ao ambiente em que vivemos, sendo uma das razões para aquilo a que modernamemte é apelidado de uma imunidade fraca.

 

Hoje em dia, devido aos avanços da tecnologia, é-nos possível ter acesso a alimentos provenientes de um clima totalmente diferente do nosso ou até mesmo a praticamente qualquer tipo de alimento fora da sua época, o que nos permite comer morangos no mês de Janeiro em Lisboa ou bananas da Costa Rica em Moscovo. No entanto, para além de estes estes hábitos serem prejudiciais para a nossa saúde, também o são para o ambiente.

Quando os alimentos são transportados ao longo de milhares de quilómetros, consomem uma quantidade brutal de recursos energéticos, contribuindo para um aumento significativo de CO2 na atmosfera. A pegada de carbono destes alimentos é enorme e, por essa razão, o seu uso devia ser reduzido na nossa mesa.

 

O ponto de vista macrobiótico é o de que a natureza é perfeita e fornece tudo o que é necessário para a nossa subsistência; a nossa sabedoria consiste em em adaptarmo-nos à sua ordem, seguindo os seus ritmos.

Assim, de um ponto de vista alimentar, aquilo que comemos deve estar de acordo com a ordem das estações e deve ser adaptado ao clima em que vivemos. (1)

 

Se, tal como a Andrea, vives no Hawai, comeres diáriamente açaí, frutas tropicais e outos alimentos provenientes de um clima tropical, faz sentido na tua dieta mas, se vives num clima temperado, como o nosso em Portugal, inclui mais alimentos provenientes do nosso clima.

Vai a mercados e inspira-te na oferta imensa de produtos locais e da época. Vais ver que com o tempo o teu corpo irá sentir-se mais em sintonia com o meio envolvente e fluir com as estações. 

Faz escolhas alimentares conscientes. O teu corpo agradeçe, e o ambiente também!

 

 

 

Fontes:


(1)Francisco Varatojo, MENTE SÃ CORPO SÃO (A esfera dos Livros, 2010) pág.92

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DICAS PARA UMA VIDA FELIZ E SAUDÁVEL

CUIDAR DE MIM

#1 
GRATIDÃO

Todos os dias, antes de deitar, reflecte nos aspectos da tua vida pelo qual estás grata. Vais ver que por mais dificil que sejam os momentos pelos quais possas estar a passar há sempre coisas boas e deves sentir-te grata por elas. Cultiva essa sensação de gratidão todos os dias e vais ver como inúmeras e maravilhosas possibilidades surgirão. 

 

#2
NÃO TE COMPARES AOS OUTROS
 Todos somos diferentes, únicas e perfeitas nas nossas imperfeições. Abraça-as pois são elas que te tornam única e especial.

#3
MOVE O CORPO LOGO PELA MANHÃ

Cuidar de mim logo pela manhã vai ser o teu novo mantra. Encontra uma actividade física que te mova e que possas fazer logo pela manhã. Fazê-lo logo ao ínicio do dia vai dar-te um boost para que agarres o dia com uma nova energia e maior confiança.

NA COZINHA

#1 
PROGRAMA

Programa as tuas refeições para a semana e cozinha alguns alimentos como cereais integrais e leguminosas. Assim, será mais fácil e rápido preparares uma refeição deliciosa após um dia de trabalho

 

#2
TROCA 

Reduz o sal usando e abusando de ervas aromáticas. Além de darem um sabor delicioso aos pratos dá-lhes um toque de frescura.

 

#3
ANTECIPA

Prepara o teu pequeno almoço de véspera. Assim, sabes que terás algo delicioso para nutrir o teu corpo logo pela manhã.

Sandra Mesquita

GOSTASTE DESTE POST? ENTÃO ESPREITA ESTES TAMBÉM.

Please reload